Futuro das baterias Chumbo Ácido

Futuro das baterias Chumbo Ácido

A primeira bateria chumbo ácido foi feita em 1859 pelo francês Raymond Gaston Planté, que construiu o primeiro projeto de sistema recarregável, modelo empregado até os dias atuais, e ainda muito utilizado em automóveis, empilhadeiras, plataformas e dentre outros meios de transportes ou logísticos.

Sim é isto mesmo que você leu, algumas empilhadeiras ainda utilizam as baterias chumbo ácido, as famosas baterias tracionárias, que consistem em vasos independentes que variam de entre 12 a 24 unidades, onde encontram-se arranjos alternados de 24 ânodos e 23 cátodos ou 48 ânodos e 27 cátodos e cada conjunto fornece cerca de 2 volts. Como os vasos são conectados em série, o potencial total das baterias é de 24V ou 48V, mas isso irá depender de um equipamento para o outro, exemplo, caso você tenha uma transpaleteira STILL ERX 27, terá uma bateria com 24V.

Porém o uso das baterias do século 19 está chegando ao fim, com a aparição no mercado industrial das baterias de íons de lítio a doze anos passados, vem tomando espaço das baterias chumbo ácidos, por ter um menor custo de fabricação, rendimento maior e com o comodismo de realizar carga de oportunidades, exemplo, caso o seu operador saia para o intervalo, ele pode conectar a bateria ao carregador e deixá-la carregando e após retornar pode retirar do carregador sem nenhum prejuízo ou dano aos ciclos de carregamento ou bateria, pois ela só termina um ciclo quando atingem 100% da sua carga.

As baterias de íons de lítio  são compostas por 4 partes, assim como as baterias chumbo ácido, em sua composição existem anodos, catodos, separadores que podem ser de cobalto, ferro fosfato ou manganês e por último camadas de íons de lítio

Mas você deve está se perguntando. Quais são as vantagens e desvantagens de usar baterias de lítio. Bom já usamos esse tipo de bateria na palma da mão ou nossas mesas de trabalho, nossos smartphones e notebooks contém essa tecnologia, porém vou elencar abaixo as principais vantagens e desvantagens:

Vantagens: 

  • Como dito anteriormente, vida útil maior; 
  • Alta densidade energética; 
  • É mais leve; 
  • Ambientalmente amigável, pois ao fim de sua vida útil ela pode ser utilizada em usinas de painéis solares; 
  • Baixo custo de manutenção. 

Desvantagens: 

  • Custo inicial alto; 
  • Delicada – Não aceita sobrecargas; 
  • Eletrólito pode ser inflamável; 
  • Sistema de gerenciamento com custo elevado.

Caso você tenha gostado do artigo, comente nosso post e veja mais artigos no blog da Macnort. Se você quiser receber notícias, promoções e se manter informado, cadastre-se na nossa Newsletter.

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − dez =